TEOLOGIA BÍBLICA

LINHA DE PESQUISA
ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS DO AT E NT

Esta linha de pesquisa, seguindo os métodos próprios das ciências bíblicas, estuda os textos de ambos os Testamentos, com interface da literatura extra-bíblica, mas também intenciona aplicar e avaliar os diversos métodos exegéticos e as novas abordagens hermenêuticas.

HEITOR CARLOS SANTOS UTRINI

Metodologia e Intertertextualidade: O uso do AT nos Evangelhos
Já Santo Agostinho traduzia essa relação afirmando que o Novo Testamento está latente no Antigo e o Antigo está patente no Novo (Quaest. in Hept. 2,73). Atualmente, o método de leitura do NT a partir do uso dos textos do AT se popularizou no Brasil com a tradução da obra de G. K. BEALE, “O uso do Antigo
Testamento no Novo Testamento: Exegese e interpretação”. São Paulo: Vida Nova, 2013. Ele é um dos muitos autores que se debruçaram sobre a temática. O presente projeto tem por objetivo analisar o uso das passagens veterotestamentárias nos Evangelhos evidenciando sua continuidade, novas intuições ou rupturas.

Exegese de textos dos Evangelhos Sinóticos
Os evangelhos ocupam um lugar de destaque no cânon do NT. A própria “Dei Verbum” no-lo indica ao dizer que “ninguém ignora que, entre todas as Escritura, mesmo do Novo Testamento, têm os Evangelhos o primeiro lugar, enquanto são o principal testemunho da vida e doutrina do Verbo encarnado, nosso Salvador” (n. 18). Esta linha de pesquisa tem por objetivo a análise de textos dos evangelhos sinóticos visando um maior aprofundamento de sua teologia, evidenciando temas como a cristologia, a pneumatologia, a eclesiologia, a escatologia, a ética, dentre outros. Além disso, a história da interpretação dos textos servirá para se perceber o avanço na compreensão de passagens singulares.

LEONARDO AGOSTINI FERNANDES

Continuidade, descontinuidade e unidade nas relações entre Antigo e Novo Testamento
Nos últimos trinta anos cresce, quer no âmbito acadêmico católico quer protestante, o vivo interesse pelas relações entre o Antigo e o Novo Testamento. Os estudos bíblicos, conduzidos com o rigor dos métodos de análise textual, ganharam novos contornos com as pesquisas históricas, as descobertas arqueológicas e a elaboração de novas metodologias que favoreceram a releitura textual, crítica e intertextual das referências, citações e alusões do AT presentes no NT. Assim, a hodierna exegese cristã tem procurado ler historicamente os textos bíblicos, fazendo a devida atenção tanto ao aspecto da continuidade como da descontinuidade, mas com o propósito de evidenciar a unidade existente entre os dois Testamentos. Nesta linha de pesquisa, busca-se interpretar e compreender textos do NT, percebendo o que há em comum e diferente entre os dois Testamentos, adentrando com mais propriedade na novidade do NT em relação ao AT (cf. Hb 1,1-2). A chave de leitura e interpretação é Jesus de Nazaré, reconhecido como Messias e proclamado Filho de Deus, plenitude da Revelação e, por isso, exegeta por excelência que garante a autêntica interpretação do AT (cf. Lc 24,27), como fizeram os autores do NT.

Interpretação e leitura canônica de textos proféticos
O projeto busca individuar e determinar as temáticas de cunho profético que ajudem a perceber os elementos que estariam na origem das diferentes teologias presentes no Antigo Testamento a partir da sua forma final e canônica. Dentre as principais temáticas destacam-se: o yôm YHWH; a sublimidade de Sião; a monarquia, o sacerdócio e os profetas em conflito; a Torah nos profetas; a dinâmica e a influência do êxodo em textos proféticos; a vocação messiânica, entre identidade e missão no profetismo bíblico; a teshuvah nos e dos profetas; a justiça social e o valor da pessoa humana; a mediação profética como reconciliação e restabelecimento da justiça sócio-familiar.

Temas inerentes ao Pentateuco
O projeto busca articular determinados temas que são inerentes ao Pentateuco e que incidem sobre a organização social, cultural e religiosa do Israel pós-exílico: a figura e o papel de Moisés; a sublimidade de Sião; a centralidade do lugar de culto em Jerusalém; as reformas empreendidas por Esdras e Neemias e suas conseqüências; a esperança depositada na monarquia, no sacerdócio e no messianismo.

MARIA DE LOURDES CORRÊA LIMA

Tradição e literatura bíblica
Estudo da tradição antecedente e consequente à cristalização escrita da Bíblia, analisando os seguintes temas: a passagem da revelação à tradição oral e escrita; a questão da inspiração dos textos sagrados; a tradição manuscrita; a formação do conjunto dos textos sagrados; a tradição consequente e a interpretação dos textos bíblicos. Será considerado também o fenômeno das releituras intra-bíblicas, seja entre textos veterotestamentários seja entre textos dos dois Testamentos.

Instituição e teologia no Antigo Testamento
Estudo das principais instituições do Antigo Testamento e seu valor teológico em diversos tipos de texto. Instituições a serem estudadas: a monarquia; o sacerdócio e o templo.

O sistema verbal hebraico na literatura profética bíblica
Estudo do funcionamento das formas verbais hebraicas na literatura narrativa e poética, a parti da perspectiva da linguística textual.

WALDECIR GONZAGA

Análise dos livros Bíblicos e Extrabíblicos do Novo Testamento
Análise dos vários corpora do Novo Testamento: Evangelhos Sinóticos, Atos do Apóstolos, corpus Joanino (Evangelho, Cartas e Apocalipse), corpus das Cartas Paulinas, corpus das Católicas e Hebreus, Apócrifos ou Pseudepígrafos do Novo Testamento. Exegese e interpretação de textos dos livros Bíblicos e Extrabíblicos do NT, bem como análise do Cânon do NT.

Temas inerentes ao Novo Testamento
O projeto busca estudar temas que são inerentes ao Novo Testamento a fim de compreender o alcance e a dimensão histórica e religiosa dos textos, bem como os fenômenos sócio-culturais que estão no seu entorno.

Análise retórica bíblica semítica
Realizar estudos para aprofundar-se no conhecimento do Método de Análise Retórica Bíblica Semítica, aplicando-o a textos do Antigo Testamento e do Novo Testamento, de livros Bíblicos e de Extrabíblicos. Este Projeto está intimamente ligado ao Grupo de Pesquisa junto ao CNPq, liderado pelo mesmo professor.